Alinhamento de gênero e como essa terminologia se tornou inadequada

Aviso de conteúdo: menção à violência queermísica, racista, misógina e capacitista; reducionismo de gênero; cissexismo; discussão de pessoas não-binárias se identificando com questões binárias; críticas às várias formas que pessoas usaram o termo alinhamento de gênero e termos relacionados

Written by AsterMay 26, 2020

Uma postagem marcante na discussão sobre alinhamento de gênero definiu a ideia desta forma:

Por conta da forma que [identidades não-binárias] se cruzam com o binário de gênero, há vezes que é útil nos categorizarmos como pessoas com experiências comuns com homens ou com mulheres. Se existe uma sobreposição muito grande, como quando alguém é exclusivamente percebide como homem/mulher e então está sujeite a problemas sociais que afetam tais classes, pode haver valor em "nos alinharmos" com essas classes, para ter discussões significativas sobre como opressão funciona.

Há valor em poder dizer "sou negativamente afetade por esse conjunto específico de preconceitos de gênero, mesmo que eu não seja deste gênero".

Esse era o propósito inicial de termos como "alinhade com homem" e de "alinhade com mulher". Identificar sobreposições fortes em pressões externas e experiências, ou identificar sobreposições de identidade pessoal com as experiências de outro gênero.

Os exemplos dados foram de ume proxvir racializade poder ter uma narrativa similar a de um homem racializado quanto a racismo específico contra homens, e de ume ambonec com TEPT complexo viste como mulher poder ser sujeite a um monte de misoginia médica em relação à sua diagnose e ao seu tratamento da mesma forma que uma mulher cis seria.

Esta mesma postagem também fala de como esses termos foram cooptados para significar "basicamente binárie" ou até mesmo "basicamente cis", e sugere então termos novos para que pessoas não tenham que se associar com essas ideias.

Tais termos são lunariane ("alguém que tem similaridades em identidade ou experiência com mulheres"), solariane ("alguém que tem similaridades em identidade ou experiência com homens") e estelariane ("alguém que não possui alinhamento forte com o binário de gênero, ou que rejeita tal alinhamento").

Acho interessante que esta postagem fala de alinhamento quase que exclusivamente como uma questão de uma pessoa ser injustamente colocada na mesma categoria que um gênero binário e sofrer algum tipo de opressão por isso.

Não acho que todas as pessoas usavam alinhamento só por isso, também. Mesmo as pessoas que não usavam esse tipo de identidade por conta de opressão baseada em gênero ou para serem exorsexistas (apagando as identidades individuais de pessoas não-binárias para dizer "mas você na verdade é homem/mulher" sem dizer isso de forma explícita) às vezes queriam expressar conexão com algum gênero binário por conta de expressão de gênero, sentimento interno ou transição desejada, motivos pelos quais algumas pessoas também usam termos como homem/mulher não-binárie, transmasculine e transfeminine.

Eu não sei dizer se isso seria um problema para o propósito de descrever opressão por gênero. Eu diria que não. Em ambos os casos, alinhamento seria uma forma de uma pessoa não-binária dizer que tem algum tipo de experiência/sentimento/vivência em comum com alguém de algum gênero binário, caso queira sinalizar algo do tipo.

Mas, mesmo nos círculos com a melhor das intenções, isso deu errado.

Problema 1: Misturar alinhamento de gênero com definições/categorizações de identidades de gênero

Logo quando os termos estelariane, lunariane e solariane foram cunhados, pessoas já aparentemente não pegaram a ideia disso ser algo opcional e pessoal, e começaram a associar certas identidades com certos alinhamentos.

Postagens apareciam colocando zenina, juxera, demimulher, libramulher e mulher-fluxo como identidades lunarianas, por exemplo.

Algumas pessoas também começaram a cunhar termos e, ao invés de dizer que eram associados com tal gênero, diziam que eram alinhados com tal gênero.

Eu entendo que alguém que sente alguma similaridade com a identidade mulher pode se identificar como lunariane. Mas se o exemplo original de uma pessoa alinhada com o gênero mulher na postagem que cunhou lunariane é de ume ambonec, dizer que gêneros específicos são de alinhamentos específicos não pode acabar deixando pessoas que não possuem gêneros relacionados aos binários desconfortáveis demais para usar termos como lunariane ou solariane por conta da opressão que sofrem?

Isso também é presumir sobre as identidades/vivências das pessoas. E se alguém for demimulher, mas for uma pessoa transmasculina que só se identifica como parcialmente mulher por isso fazer parte do seu gênero e não vê isso como uma parte relevante da sua identidade a ponto de ser seu alinhamento? E se algume juxera achar mais relevante a confusão que as pessoas têm com seu gênero por conta de sua expressão genderfuck do que a proximidade do seu gênero com mulher?

Cunhar termos com base em alinhamentos não é um problema tão grande, porque se alguém se identificar com o resto do termo mas não se ver como alinhade com algo, é só não usar. Ainda assim, não vejo porque não seria melhor deixar o gênero só relacionado com algo, e então deixar pessoas decidirem seus próprios alinhamentos de gênero separadamente.

Pessoas também começaram a perguntar, em blogs de ajuda, por "gêneros alinhados com tal coisa". Sendo que, se alinhamento de gênero não é associado com gênero, qualquer identidade de gênero pode ter qualquer alinhamento. Ume ambonec pode ser lunariane, uma pessoa agênero pode ser solariana, ume zenina pode ser estelariane, etc. Eu entendo que provavelmente o que querem dizer é que querem saber mais sobre gêneros associados/parecidos com certo gênero, mas isso não ajuda pessoas cujas identidades de gênero não deixam seus alinhamentos "óbvios" a se sentirem seguras em compartilhar/ir atrás de comunidades para tal alinhamento.

Um exemplo de como isso é ruim: Ume maverique é viste como homem e participou de espaços para homens por um longo tempo, antes de se perceber não-binárie. Tal maverique não se sente confortável com pessoas presumindo que elu é homem, mas isso de qualquer forma acontece com frequência e afeta suas experiências de vida. Solariane poderia ser um rótulo confortável para elu, porém grande parte das coisas disponíveis para pessoas solarianas presume que a maioria delas é de algum gênero parecido com homem, ou que são parcialmente homens, ou que são homens parte do tempo. Alguém que está tentando se afastar da ideia de que "na verdade é homem" vai se sentir confortável adotando esse alinhamento de gênero?

Problema 2: Misturar alinhamento com gêneros binários com feminilidade/masculinidade

Como já falei em outro texto, feminilidade e masculinidade são termos usados de duas formas que, ainda que façam sentido com suas definições básicas, são bem distintas na prática:

  1. Ser uma pessoa feminina ou masculina significa se dizer ao menos "meio mulher" ou "meio homem", respectivamente;

  2. Ser uma pessoa feminina ou masculina significa aderir a arquétipos relacionados a estereótipos de gêneros binários.

O que acontece é que, muitas vezes, pessoas passaram a usar "alinhamento com feminilidade/masculinidade" ao invés de "alinhamento com mulher/homem". Talvez isso seja por acharem que, por exemplo, alinhamento com feminilidade seja uma forma mais abrangente de falar de alinhamentos relacionadas com ser mulher, ao invés de ser um alinhamento estrito com ser mulher.

Mas isso acaba alienando as pessoas que rejeitam a ideia de que feminilidade/masculinidade precisa ter a ver com estar perto de um gênero binário (1), e que são mais acostumadas com a ideia de que ser uma pessoa feminina/masculina tem só a ver com se identificar com certos arquétipos/estereótipos, independentemente do gênero (2).

Um exemplo: Imaginem ume femil - uma pessoa cujo gênero é mulher, mas com 0% de feminilidade e ao menos alguma identificação com masculinidade - que passou boa parte da vida se identificando como bofinho. Que sempre foi criticade por não ser feminine, e que enfrenta violência por ser viste como "mulher que se veste de homem". Essa pessoa tem um gênero relacionado com mulher, e passa por questões enfrentadas por mulheres binárias, então faz sentido dizer que possui um alinhamento de gênero com mulher. Mas será que alguém assim se identificaria com um alinhamento com feminilidade?

Esse exemplo pode ser fictício, mas a pessoa que cunhou femil e melle é melle e já falou que não consegue usar o sistema de alinhamento de gênero por conta das pessoas juntarem feminilidade com ser mulher e masculinidade com ser homem, ainda que seja uma pessoa que se vê como alguém que tem alinhamento com ser homem e com feminilidade, mas não com ser mulher ou com masculinidade.

Problema 3: A obrigação de alinhamento

Isso não é algo tão presente em círculos mais inclusivos, e nunca cheguei a ver isso na lusosfera, mas acho que é uma questão importante pra apontar, já que é relacionada com o assunto.

Para não ignorar a existência de pessoas não-binárias que se identificam com termos vistos como binários, e também não ignorar que pessoas que usam os termos vistos como binários não querem que tais termos sejam deturpados, é comum haverem definições como:

Lésbica: Uma mulher ou pessoa alinhada com o gênero mulher que sente atração somente por mulheres ou por pessoas alinhadas com o gênero mulher.

Eu não acho que essa definição é necessariamente problemática, porque pela maior parte ela está certa. E não acho que adicionar todas as exceções possíveis a definições é um processo muito útil, já que sempre vão haver mais delas.

Mas, tipo assim, já não tem um monte de casos lá em cima no texto sobre um monte de casos onde pessoas não são (completamente, sempre, etc.) mulheres e não se sentem/talvez não se sintam confortáveis se dizendo lunarianas/alinhadas com o gênero mulher?

Fora que, se é comum que pessoas relacionem pessoa alinhada com o gênero mulher com pessoa com identidade de gênero relacionada com ser mulher, isso não poderia causar problemas para lunarianes que são agênero, maveriques, ou de outras identidades que não possuem mulher no nome ou na definição?

Ou pior: Como pessoas vão se sentir confortáveis adotando ou mantendo essa identidade se, mesmo que sintam alguma conexão ou relação forte com ser mulher, não possuem identidade de gênero com mulher no nome ou na definição, e não se sentem confortáveis se dizendo lunarianes/alinhades com o gênero mulher por conta das questões listadas acima?

Os problemas que isso causa não são apenas teóricos: existem pessoas que se afastam de espaços para homens com atração por homens/mulheres com atração por mulheres por medo de invadir mesmo que se identifiquem com os termos usados, e existem pessoas tratadas como "invasoras" por não se identificarem com os termos de identidade e/ou alinhamento de gênero "certos" para que possam ser aceitas em tais espaços.

Existem sim termos como feminamórique e viramórique, mas muita gente gosta de ter um termo "que a maioria entende" como identidade, e as comunidades femínicas, mascúlicas, feminamóricas, viramóricas, dóricas e trízicas não são muitas nem grandes.

Problema 4: Falta de comunicação entre "desalinhades" e pessoas com alinhamentos não-tradicionais

Não é à toa que foquei muito mais em alinhamentos com homem e com mulher neste texto; são os alinhamentos mais discutidos e destacados.

Mas até mesmo estelariane foi um termo cunhado junto a lunariane e solariane. Se lunariane significa que a pessoa tem alinhamento com ser mulher, e solariane significa que a pessoa tem alinhamento com ser homem, estelariane aponta, pra mim, um alinhamento com não-binaridade.

Isso pode parecer desnecessário: pra quê ter um alinhamento com não-binaridade, se a pessoa já é não-binária?

Eu acredito que a intenção tenha sido de oferecer um termo que explicitamente diz "não, eu não me vejo como alguém próxime de um gênero binário, ou como alguém mais próxime de um gênero binário do que do outro". Que diz "não importa a minha identidade de gênero ou como as pessoas me veem, eu não me sinto confortável em dizer que tenho experiências em comum com um dos gêneros binários".

Que diz "não, eu não tenho um alinhamento binário". Então, é, um alinhamento com qualquer coisa que não seja binária.

Eu acredito que a ideia tenha sido que estes três termos fossem absolutos; ou você se identifica como alguém que tem algo em comum com algum gênero binário, ou não (seja por ter coisas em comum com ambos, seja por não não ter nada em comum com ambos, seja por rejeitar a ideia de ter algo em comum com um ou outro).

Mas, é, quando a comunidade gosta de termos e começa a usá-los, buracos começam a aparecer.

Surgiram alinhamentos que são combinações desses três termos; surgiram alinhamentos que são parcialmente cada um desses três termos; surgiu o termo singulariane para quem não tem alinhamento nenhum.

Muita gente também começou a ver estelariane como um alinhamento com neutralidade.

Mais tarde, também surgiu xênique, um termo para quem tem alinhamento com um ou mais xenogêneros. Também surgiram termos mais específicos para conceitos xenogênero específicos (como alinhamentos com luz, com animais, com cristais, etc).

Mas, o que importa aqui, é que parte da comunidade ignorou todo esse desenvolvimento, e agiu como se só houvessem pessoas alinhadas com mulheres, com homens, ou sem alinhamento.

Eu não acho que há algo de errado em falar que existem pessoas sem alinhamento de gênero. Porém, em muitos textos, era como se não ter alinhamento de gênero fosse sinônimo com não ter um alinhamento de gênero puramente binário. Por exemplo, a falta de espaços para pessoas que não são mulheres ou homens ou alinhadas com esses gêneros não é uma questão que só é relevante para quem não tem alinhamento, quando pessoas estelarianas, xênicas ou eclipsianas (que são lunarianas e solarianas) também enfrentam problemas com essas divisões.

Quando alguns termos e espaços surgiram para pessoas sem alinhamento de gênero, algumas pessoas tiveram que perguntar se a ideia era para pessoas sem alinhamento ou sem alinhamento binário, especialmente quando eram coisas acompanhadas por alternativas que eram apenas para pessoas com alinhamentos binários.

Mas e então, o que fazer?

Eu sinceramente não sei se há como "consertar" todas as impressões erradas sobre os sistemas de alinhamento de gênero. Ao menos não tão cedo e se cada pessoa continuar usando esses termos de forma diferente.

Não acho que é um problema que alinhamentos de gênero ainda existam. Mas pessoas precisam certamente parar de fazer presunções baseadas em conhecimentos limitados (como gêneros relacionados com mulher = gêneros femininos = "gêneros lunarianos" ou pessoas que não são alinhadas com homem ou com mulher = pessoas sem alinhamento), se querem parar de machucar ou afastar pessoas de termos que acham úteis.

Acho que estelariane e xênique me contemplam bastante, mas não são termos que faço questão de usar.

O sistema alibinário foi feito para poder ter termos que falam de questões diferentes sem elas serem divididas por que tipo de identidade de gênero a pessoa tem, mas ele não fala sobre questões de gênero enfrentadas especificamente por homens e pessoas solarianas ou por mulheres e pessoas lunarianas, ou qualquer equivalente disso.

A ideia de elementos de gênero foi cunhada para que pessoas possam expressar alguma relação com tais elementos independentemente de gênero, mas eles não possuem nenhum propósito político (de falar de questões específicas enfrentadas por certos grupos).

Também existem os termos proxmenina e proxmenino (e, sim, como qualquer outra identidade com esse tipo de nome, dá pra usar proxmulher, proxguri e afins). Eles podem servir como alinhamento, mas eu não sei o quanto os termos seriam confundidos com identidades de gênero, e/ou o quanto teriam o problema 1 descrito lá em cima.

Eu não sei se chamaria esses conceitos de alternativas, porque eles podem existir independentes de alinhamento de gênero. Mas se alguém quer apenas complementar sua identidade com outras coisas que a descrevem, esses sistemas podem ser usados. De qualquer forma, eu não acho que pessoas que usem o conceito de alinhamento de gênero precisem parar.

Também acho que a concepção do conceito foi importante para que pessoas pudessem se dar conta de como não é só porque uma pessoa é não-binária, ou mesmo porque tem um gênero completamente alheio a homem/mulher, que uma pessoa não pode "se alinhar" por ver que tem experiências em comum com pessoas binárias. E a cunhagem de alinhamentos parciais, mistos ou com identidades não-binárias também indica que pessoas podem sentir esse tipo de conexão com identidades fora do binário também.

O que mais quero que aconteça é que pessoas confiem mais nas experiências alheias sem precisar de rótulos. Alguém que é não-binárie e que quer usar um rótulo como aquileane deveria poder fazer isso sem ter que explicitar que é homem não-binárie, solariane, proxmenino, transmasculine ou qualquer outra coisa assim. Também seria legal confiar que, por exemplo, alguém bigênero homem/mulher não está invadindo ou traindo qualquer comunidade caso queira participar tanto de espaços de mulheres quanto de espaços de homens. Deixem que cada pessoa se descubra ou se identifique com o que achar melhor, ainda que "não faça sentido" para pessoas binárias.

This article is under the CC-BY-SA license.

Login or use your Fediverse account to interact with this article

Comments

No comments yet. Be the first to react!